terça-feira, 15 de março de 2011

No fim sou poesia*


E a poesia que habita em mim me faz poesia
No fim sou poesia, então, sou poesia
E, ela faz de mim palavras doces e eternas
Para que tu me leias e regozije-se ao interpretar todo o meu significado
E, tu te encantas com o que lês, não consegues parar, não consegues despregar seus olhos de mim
Estás encantado com o feitiço que toma as minhas palavras
E, o difícil é fazer-te parar de ler porquanto tu estás enlevado
E meus versos enfeitiçam-te porque são doces, visto que sou poesia
E, tu não queres chegar ao fim
Tu não almejas que tenha ou exista um término
Queres viver, apenas, dessas doces e eternas palavras, queres provar de mim
Porque no fim sou poesia, então, sou poesia.

5 comentários:

  1. Muito bom de ler, gostei bastante, seu "jogo" de palavras, muito bonito.
    Parabéns, escreve muito bem.

    ResponderExcluir
  2. Ameiiiiii!!!
    Emtra no meu http://taissacazumbartpoesia.blogspot.com/

    tiamooo

    ResponderExcluir
  3. Todos são poesia ou ela pousa sobre galhos privilegiados?

    ResponderExcluir